Série Minuto Olímpico - Davi Chaves Ribeiro – Professor de Educação Física

Data 18/07/2016 09:22:23 | Assunto: Diário Oficial

 Docente da Escola Especial Favo de Mel, unidade da Faetec, trabalha na inclusão de alunos com deficiência intelectual





Formado em Educação Física, Davi Chaves Ribeiro, de 32 anos, é um dos 50 servidores do Governo do Rio selecionado para participar do revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016, no dia 28 de julho, em Resende. Professor da Escola Especial Favo de Mel, unidade da Faetec (Fundação de Apoio à Escola Técnica), desenvolveu um projeto, aprovado pela Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio), que incentiva o esporte de alto rendimento. A ideia é estimular a prática competitiva inclusiva dos alunos com deficiência intelectual, levando-os a serem atletas profissionais.

Como foi ter sido escolhido para conduzir a Tocha Olímpica?

Foi uma surpresa! Tive a sorte e a graça de ser escolhido. Desenvolvi um projeto que incentiva o esporte de alto rendimento e estimula a prática competitiva inclusiva dos alunos, levando-os a atuar como atletas profissionais. O projeto foi aprovado pela Faperj e, a partir daí, conseguimos montar uma sala especializada para a prática de musculação. Compramos equipamentos e até uniforme para competição.

Como você avalia as conquistas dos seus alunos?

Medalha de ouro é quando eu vejo um aluno que não sabia amarrar um cadarço e, que após o nosso treinamento e convivência, vence o obstáculo. É quando um aluno viaja para uma competição, levando o seu dinheiro, consegue pagar seu próprio lanche, dando conta disso sozinho, sabendo administrar o valor. Vejo aí um exemplo de profissional medalhista.

O que é, para você, o espírito olímpico?

Nunca coloco a vitória acima de qualquer preço.  Acho que o valor olímpico não está inserido apenas no esporte, está na minha essência de vida, está no meu dia a dia.

Como o trabalho mudou a sua filosofia de vida?

Não posso dizer que sou perfeito, sei dos meus defeitos, mas também reconheço as minhas qualidades. Não vejo as limitações das pessoas, vejo as qualidades. Tento realçar o melhor. Aliás, a ideia é sempre melhorar ainda mais o que ela tem de melhor.

Conduzir a tocha é...

Uma oportunidade única na minha vida. Sempre quis participar de uma Olimpíada, contribuindo de alguma forma e nunca tive essa oportunidade. Agora sou homenageado de uma forma muito maior, sendo o condutor da tocha. Não tem como mensurar em palavras e nem gestos, talvez em emoção no dia. Para mim é tudo!

Leia a notícia no Diário Oficial.





Esta notícia foi publicada na Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro
http://www.ioerj.com.br/portal

Endereço desta notícia:
http://www.ioerj.com.br/portal/modules/news/article.php?storyid=6848