Logotipo IOERJPágina Principal
sábado, 1 de novembro de 2014
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.
Notícias
Diário Oficial : A força da mulher na Polícia Militar: 30 anos superando desafios
em 20/03/2012 09:45:16 (982 leituras)



Elas representam 6,5% de um universo de 44.047 policiais militares do Rio de Janeiro, mas ser minoria não é um problema. Ao longo de 30 anos, as mulheres superaram preconceitos, chegaram a altos postos na hierarquia de comando e conquistam cada vez mais espaço dentro da corporação. A prova disso é que uma mulher foi responsável por levar a Polícia Militar do Estado do Rio a ocupar posição de destaque nos noticiários brasileiro e internacional no início do mês.

A major Pricilla de Oliveira Azevedo foi a primeira policial militar a comandar uma Unidade de Polícia Pacificadora no Morro Santa Marta, em Botafogo, e, atualmente, é coordenadora de Assuntos Estratégicos de Segurança. O trabalho desenvolvido no processo de pacificação - um marco na história da segurança pública do Rio - lhe rendeu o prêmio internacional Mulheres de Coragem, oferecido pelo Departamento de Estado dos EUA.

De volta ao Brasil, Pricilla foi homenageada, ontem, durante a inauguração de uma exposição, no Quartel General da PM, em que a trajetória da mulher na corporação é contada através de fotos selecionadas em arquivos.

Atualmente, 2.923 mulheres integram a PM-RJ. O caminho percorrido por elas só foi possível graças às 153 pioneiras que ingressaram na corporação em 1982.

- Quebramos paradigmas porque a mulher tem esse diferencial: um potencial transformador - disse a coronel Celia Gonçalves Rodrigues, 51 anos, que fez parte da primeira turma e hoje é comandante do 39º BPM (Belford Roxo).




Sensação de dever cumprido

No Dia Internacional da Mulherm 8 de março, a major Pricilla recebeu o prêmio Mulheres de Coragem das mãos da secretária de estado americana, Hillary Clinton, ao lado da primeira-dama Michelle Obama.

- Pricilla não estava lá por ser mulher, mas por sua história, seu trabalho. Fiquei muito emocionado em vê-la levando a imagem da PM para o mundo. Agradeço a todas as mulheres que integram a corporação e têm como exercício diário a vontade de mudar as coisas, de fazer acontecer - afirmou o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame.

Apesar do prêmio, Pricilla rejeita o rótulo de pop star da PM, mas não esconde o orgulho de chegar tão longe.

- Não tem isso de estrela. O que eu tenho é sensação de dever cumprido. Minha alegria é levar um resultado positivo para os moradores das comunidades - disse a major, 34 anos, que ingressou na PM aos 18.

Imprimir