Logotipo IOERJPágina Principal
quarta, 23 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Floricultura aquece a economia do interior fluminense
em 27/09/2017 09:30:26 (306 leituras)


 

Responsável por 17 mil empregos e movimentando R$ 622 milhões por ano, o setor de floricultura do Rio de Janeiro caminha para a autossuficiência em algumas espécies. Ou seja, cerca de 80% do que é consumido está sendo produzido no próprio estado. Parte desse crescimento se deve ao programa Florescer, do governo estadual.

O projeto foi criado em 2003 com o objetivo de desenvolver a cadeia produtiva de flores e plantas ornamentais, fornecendo crédito, capacitação e apoio à comercialização. Este mercado envolve a comercialização de insumos e sementes, cultivo, distribuição especial, além de venda de serviços agregados como paisagismo e decoração.

Vargem Alta, em Nova Friburgo, na Região Serrana, é a principal produtora de flores de corte, concentrando 60% do cultivo. As cidades vizinhas crescem juntas, como Bom Jardim, considerada a capital fluminense das rosas.

Na avaliação da coordenadora do programa Florescer, da Secretaria de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, Nazaré Dias, os resultados alcançados têm motivado os produtores de Bom Jardim.

– Com a melhoria da qualidade da rosa do Rio de Janeiro, o produto fluminense vem ocupando gradativamente o abastecimento do próprio mercado e reduzindo sua importação de outros centros produtores – disse Nazaré.

Incentivos

Atualmente, o Rio de Janeiro conta com cerca de mil produtores e uma colheita com mais variedade e qualidade. Antes dos incentivos do programa Florescer, o mercado fluminense era abastecido por São Paulo. Foi através do Florescer que foram introduzidas novas tecnologias de cultivo e de diversificação da produção. Com a ampliação do mix de produção e consequentemente de comercialização, os agricultores alcançaram um equilíbrio de receita, compensando a variação de preço dos produtos.

Segundo estudos do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), 63% da movimentação financeira do mercado de flores, no Brasil, estão concentrados na comercialização. Já as atividades relacionadas à produção de flores e plantas ornamentais responde por 20%, enquanto os insumos necessários à produção, respondem por 13%.

Leia a notícia no Diário Oficial.

Imprimir