Logotipo IOERJPágina Principal
terça, 29 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Secretaria se reúne com consulados
em 31/05/2017 09:28:27 (404 leituras)


 

Com o objetivo de trabalhar de forma articulada com os consulados, a Secretaria de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos realizou ontem o seminário Direitos Humanos no Rio de Janeiro. O evento reuniu representantes do Itamaraty, México, Chile, Estados Unidos, Paraguai, Uruguai, Peru, Canadá, França e Venezuela.

– Temos a missão de trabalhar em conjunto com outras instituições para diminuir os casos de violações dos direitos, especialmente de grupos ditos como vulneráveis – disse o secretário de Direitos Humanos, Átila A. Nunes.

Na rota das violações dos direitos, está o tráfico de pessoas para o trabalho escravo ou para a exploração sexual – um assunto que envolve vários países. Só em 2014, foram identificados mais de 500 trajetos. No período entre 2014 e 2016, foram registrados no Rio de Janeiro 194 casos de trabalho escravo, na maioria migrantes do Nordeste e cidadãos chineses, com idades entre 18 e 35 anos e com baixa escolaridade. No mesmo período, ocorreram três casos de tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, saindo do estado em direção à Itália.

A superintendente de Promoção de Direitos Humanos, Aline Inglez, ressaltou que a criação da secretaria estadual ocorreu após uma reestruturação, e que houve um entendimento de que o tema merecia ter protagonismo no Executivo.

– Queremos ampliar o escopo do nosso trabalho e atuar de forma articulada com representantes de outros países – afirmou a superintendente.

Para a cônsul-geral do Equador, Mônica Delgado, a atuação em cooperação com a secretaria é fundamental.

– Os consulados prestam assistência aos cidadãos para garantir seus direitos e a secretaria pode ajudar na resolução das diversas situações – explicou Mônica Delgado.

A Secretaria de Direitos Humanos tem quatro grandes desafios em 2017: a municipalização do enfrentamento do tráfico do trabalho escravo, a construção de uma base de dados confiável, a elaboração de uma política de abrigamento e a articulação contínua com instituições públicas e privadas.

Leia a notícia no Diário Oficial.

Imprimir