Logotipo IOERJPágina Principal
sábado, 19 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Febre amarela: Rio amplia região para vacinação
em 08/02/2017 09:21:57 (599 leituras)


 

Localizados na divisa com o estado de Minas Gerais, os municípios de Valença, Rio das Flores, Quatis, Itatiaia e Resende passam a fazer parte da região com indicação para vacinação de bloqueio contra a febre amarela orientada pela Secretaria de Saúde, com base na avaliação do cenário epidemiológico dos estados vizinhos. A medida, adotada de forma preventiva pelo secretário de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr., visa criar um cinturão de imunização para tentar impedir a entrada do vírus no território fluminense. A resolução para a inclusão dos cinco novos municípios na região de bloqueio foi publicada ontem, no Diário Oficial do Rio de Janeiro.

No último dia 25 de janeiro, foi solicitada uma nova remessa de 350 mil doses ao Ministério da Saúde, já disponibilizada, elevando para 700 mil o total de doses de vacina. Desde a última semana de janeiro, 16 municípios localizados nas dividas com Minas Gerais e Espírito Santo já estão tendo seus estoques abastecidos e deram início à campanha de imunização, organizada pelas prefeituras, com base nas orientações técnicas do Governo do Estado e do Ministério da Saúde. A vacina contra a febre amarela é segura e tem eficácia comprovada acima de 90%.

– Estamos mobilizados para o acompanhamento constante do cenário epidemiológico, o que nos dá o dinamismo necessário para orientarmos nossa estratégia e ampliarmos a atuação. Em parceria com os municípios, estamos criando uma região de bloqueio, imunizando a população de todas as cidades que fazem divisa com Minas, além de parte dos municípios próximos ao Espírito Santo. Apesar de a entrada do vírus no Rio ser pouco provável, nosso papel, neste momento, é fazer o que podemos para proteger nossa população, de forma segura e responsável, fazendo o uso racional da vacina – explicou o secretário de Saúde.

Com a nova resolução publicada, a estratégia de bloqueio amplia para 21 o total de municípios que devem ter sua população, parcial ou totalmente imunizada, observando as contraindicações: Cantagalo, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Bom Jesus do Itabapoana, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, Santo Antônio de Pádua, Varre-Sai, Rio das Flores, Quatis e Itatiaia. Além destes, as cidades de Campos dos Goytacazes, São Francisco de Itabapoana, Itaperuna, Sapucaia, Três Rios, Paraíba do Sul, Resende e Valença terão regiões específicas para vacinação.

– É essencial que a população siga as orientações dos profissionais de saúde e que sejam vacinadas as pessoas que têm indicação para isso – ressaltou Alexandre Chieppe, subsecretário de Vigilância em Saúde.



Saúde tira dúvidas sobre vacinação contra a febre amarela

Desde a última semana de janeiro, municípios de todo o estado estão tendo seus estoques de vacinas reabastecidos, conforme a disponibilidade operacional e de armazenamento de cada um. Da primeira remessa de 350 mil doses disponibilizadas pelo Ministério para o Rio, 250 mil estão sendo destinadas à vacinação de bloqueio nos 16 municípios já orientados para a realização da campanha. Outras 100 mil doses foram entregues às demais prefeituras para reabastecimento dos estoques. Com a nova remessa de 350 mil doses, a Secretaria de Saúde está reforçando os estoques dos cinco municípios que passam a fazer parte da região de bloqueio, além de compor um estoque estratégico para a reposição em todo o estado.

l Quem são os moradores do Estado do Rio de Janeiro que devem se vacinar?

As cidades com indicação são: Cantagalo; Carmo; Comendador Levy Gasparian; Bom Jesus do Itabapoana; Laje do Muriaé; Miracema; Natividade; Porciúncula; Santo Antônio de Pádua; Varre-Sai; Rio das Flores; Quatis; e Itatiaia. Além destes, os municípios de Campos dos Goytacazes, São Francisco de Itabapoana, Itaperuna, Sapucaia, Três Rios, Paraíba do Sul, Resende e Valença terão regiões específicas para vacinação.

l Quando essas pessoas que vivem nestes 21 municípios devem procurar os postos?

A campanha de vacinação de bloqueio será realizada pelas secretarias municipais de saúde, com apoio técnico do Estado. A recomendação da Subsecretaria de Vigilância em Saúde do Estado é para que a vacinação seja realizada em etapas, dividindo a população por faixas etárias: (de 9 meses a 9 anos e 11 meses; 10 anos a 19 anos e 11 meses; 20 a 29 anos e 11 meses; 30 a 39 anos e 11 meses; e 40 a 59 anos e 11 meses), até 10 de março. Cada Secretaria municipal de Saúde deverá definir o calendário de acordo com a capacidade operacional e de armazenamento dos imunobiológicos.

l Em que situação as pessoas que não moram nas regiões indicadas para a vacinação de bloqueio devem se vacinar?

Quando tiverem viagens programas para áreas do país com recomendação de vacinação, conforme orientações do Ministério da Saúde. É preciso tomar a vacina com pelo menos dez dias de antecedência.

l Qual é a orientação para quem já tomou a vacina?

A vacina garante a imunidade por dez anos, quando é preciso tomar uma nova dose. Após a segunda vacina, não há mais necessidade de uma nova dose. Mas é importante deixar claro que mesmo para a segunda dose, a recomendação é para que as pessoas que vivem em áreas com indicação da vacina não deixem de se imunizar.

l No caso das crianças, quais são os riscos de receber a vacina contra a febre amarela junto com outras vacinas?

A vacina de febre amarela não deve ser aplicada ao mesmo tempo em que as tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba) ou tetra viral (contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela).

l Qual a probabilidade da entrada do vírus no Rio?

Com base em avaliações dos cenários epidemiológicos, é possível afirmar que é pouco provável a entrada do vírus.

O que é a doença?

Há dois tipos de febre amarela – silvestre e urbana. As duas são causadas pelo mesmo vírus e causam a mesma doença, mas se diferem pelo vetor de transmissão. A urbana é transmitida pelo Aedes aegypti e, de acordo com o Ministério da Saúde, desde os anos 40, o Brasil não registra casos deste tipo. Já a silvestre é transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabeths, insetos de hábitos estritamente silvestres.

Leia a notícia no Diário Oficial.

Imprimir