Logotipo IOERJPágina Principal
terça, 14 de julho de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Obras de saneamento são legados olímpicos
em 05/09/2016 09:13:23 (449 leituras)


 

O Governo do Estado, por meio da Cedae, ampliou o abastecimento e o esgotamento sanitário em diversas áreas que receberam competições durante os Jogos Rio 2016. Legados olímpicos, as melhorias atenderam às regiões da Marina da Glória, Píer Mauá, Deodoro, Barra da Tijuca, Copacabana e Leblon.

 – As obras executadas pela Cedae que ficam como legado dos Jogos Rio 2016 são fruto de um trabalho de excelência, realizado pela companhia. O esforço concentrado resultou em importantes intervenções  que contribuem para a qualidade de vida da população e o meio ambiente, como a Galeria de Cintura da Marina da Glória e o Eixo Olímpico, obras valiosas para a Baía de Guanabara e as lagoas da Barra – afirmou o presidente da Cedae, Jorge Briard.

 Na Marina da Glória, que foi palco das provas de vela na Olimpíada e será na Paralimpíada, por exemplo, a Cedae instalou, com investimento de R$ 14 milhões, um ‘cinturão’ que  permitiu que o esgoto clandestino – que eventualmente era lançado nas galerias de águas pluviais – fosse encaminhado pela elevatória Marina da Glória para o interceptor oceânico e, em seguida, para o Emissário Submarino de Ipanema.

Porto maravilha

 No Porto Maravilha, o investimento garantiu o abastecimento de água e a coleta do esgoto produzido por transatlânticos e demais embarcações que ancorassem no local. O Sistema de Abastecimento de Água permitiu o atendimento de até 4 navios, com uma capacidade de fornecimento de água potável de até 1,35 milhão de litros por dia. O esgoto deixou de ser lançado no mar in natura devido a criação de um sistema de esgotamento sanitário, que levou os resíduos para a Estação de Tratamento de Esgotos do Caju.

Já na Barra da Tijuca, outra obra importante inaugurada foi a Elevatória Vila dos Atletas, que colocou em operação o sistema de esgotamento sanitário do Eixo Olímpico. O sistema transporta todo o esgoto captado na região para a Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) Barra, atendendo a mais de 260 mil habitantes.

As obras do sistema de esgotamento sanitário do Eixo Olímpico incluíram a construção de tronco coletor de esgoto com 1,3 quilômetro de extensão na Avenida Abelardo Bueno e duas novas elevatórias: a elevatória Vila dos Atletas, que transporta, inicialmente, 120 litros por segundo de esgoto, e terá capacidade total de até 450 litros por segundo; e a elevatória Olímpica, que leva 250 litros por segundo para a ETE Barra, com capacidade para bombear até 1.100 litros por segundo.

A região da Barra da Tijuca também ganhou a ampliação do abastecimento com o assentamento de 1 km de redes de distribuição de água.

Deodoro também recebeu melhorias. O Governo do Estado assentou cerca de 3 km de redes de distribuição de água.

O Governo do Estado colocou ainda em operação a galeria de cintura do Canal Jardim de Alah, entre Ipanema e Leblon, na Zona Sul. A galeria faz a captação em tempo seco dos efluentes lançados na rede de águas pluviais, impedindo inclusive o despejo de esgoto por meio de ligações clandestinas no Canal do Jardim de Alah.

A região de Copacabana também foi beneficiada. A Cedae implantou o bombeamento da Estação Elevatória de Esgotos Sanitários Parafuso. A estação conta com sistema de controle de odor, monitorado diariamente, e foi construída, com grande parte de sua área edificada, abaixo do nível da rua.

Leia a notícia no Diário Oficial.

Imprimir