Logotipo IOERJPágina Principal
quarta, 30 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Água da Baía de Guanabara terá monitoramento diário
em 21/07/2016 09:25:31 (487 leituras)




O secretário do Ambiente, André Correa, anunciou ontem  que o Inea (Instituto Estadual do Ambiente) passa a fazer diariamente o monitoramento da qualidade da água da Baía de Guanabara nos pontos onde haverá as regatas olímpicas dos Jogos Rio 2016 até o término das Paralimpíadas.

– Trabalhamos junto com a Organização Mundial de Saúde, que é o maior órgão de referência nessa área. Todas as nossas últimas medições, incluindo a Marina da Glória, que é o ponto em que os atletas entram na água para irem para a vela, estão dentro do padrão – disse o secretário.

O principal desafio para os Jogos, no entanto, é a remoção do lixo flutuante, e não a qualidade das águas. Com o objetivo de conter o lixo flutuante, 12 ecobarcos e 17 ecobarreiras estão prontos para os Jogos.

A exemplo do sucesso dos dois eventos-teste de vela do Rio 2016, uma força-tarefa atuará no monitoramento do espelho d´água com tecnologia para identificar a concentração de lixo flutuante.

Um software possibilita indicar os possíveis locais de concentração do lixo flutuante de acordo com a previsão de marés, correntes marítimas e condições meteorológicas do ambiente da Baía de Guanabara. Monitorados por satélite, os 12 ecobarcos recebem orientação para combater os pontos de lixo no espelho d´água. A frota tem capacidade para remover uma média de 40 toneladas de lixo flutuante por mês. Já as 17 ecobarreiras estão instaladas na foz dos principais rios e canais que deságuam na baía.

As ecobarreiras estão no canal do Mangue, em Santo Cristo; nos canais da Rua Darcy Vargas, do Cunha, da Vila dos Pinheiros, Baixa do Sapateiro, Nova Holanda e Rio Ramos, no Complexo da Maré, no Rio Irajá, na Penha; no Rio Meriti, Rio Iguaçu, Rio Sarapuí e Rio Estrela, em Duque de Caxias; e no Rio Bomba, entre São Gonçalo e Niterói; Rio Marimbondo e Rio Imboassu, em São Gonçalo, e Rio Brandoas e Canal do Rio Maruí, em Niterói.

Somente a do Canal do Cunha evitou que 208 toneladas de resíduos sólidos chegassem às águas da baía no último mês.

Leia a notícia no Diário Oficial.

Imprimir