Logotipo IOERJPágina Principal
sexta, 25 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Série Minuto Olímpico - Carla Azevedo – Bombeiro militar
em 20/07/2016 09:17:20 (482 leituras)




Primeira mulher a comandar uma unidade operacional do Corpo de Bombeiros, a militar Carla Azevedo vai representar o Estado do Rio na condução da Tocha Olímpica em Barra do Piraí, no dia 29 de julho, por meio da campanha estadual Servidores que Valem Ouro.

Há 15 anos na corporação e há 3 anos no cargo de comandante do destacamento de Ramos, subordinado ao grupamento do Méier, ela enfrentou diversas barreiras para conquistar o alto cargo na corporação, universo majoritariamente masculino, e sempre sonhou com a carreira militar.  No comando de cerca de 60 militares, ela credita a oportunidade única de conduzir o fogo olímpico ao fato de sempre ter atuado em serviço com determinação.

Como foi o seu ingresso na corporação fluminense?

Desejava ser bombeira militar pelos valores e porque meu pai é militar do Exército. Quando era criança, achava um ‘barato’ ver os soldados marchando. Cresci e voltei a pensar na possibilidade de me tornar militar. Conversando com o pai de uma amiga que seguiu a carreira no Corpo de Bombeiros, vi que era o meu caminho e resolvi tentar. A ideia de salvar vidas sempre me fascinou.

Você foi da primeira turma de mulheres do Corpo de Bombeiros?

Em 2001, a corporação abriu a oportunidade para mulheres ingressarem no quadro de oficiais combatentes. Foi difícil pela cultura da corporação, que é muito masculina, mas eu e minhas colegas enfrentamos o desafio com dedicação e pulso firme. Hoje me orgulho de ter chegado aonde estou. Quando você comanda uma unidade, a exigência é maior ainda. Como mulher tem que provar que é capaz o tempo todo. Há uma grande cobrança.

Qual foi o episódio mais marcante da sua carreira?

Foi o caso do caminhão que derrubou a passarela na Linha Amarela. Tive a oportunidade de participar deste evento que interferiu no cotidiano do carioca.  As dificuldades foram grandes. Tivemos que fazer a retirada de pessoas que estavam presas nas ferragens. Você chega em um lugar onde reina o caos e a população enxerga em você um alento. Isso não tem preço, é emocionante.

Como é o papel do comandante neste caso?

O comandante de uma unidade participa apenas de casos mais graves. Ele tem a função de acionar reforço e passar ao centro de informações a real situação. Além de se preocupar com as situações de salvamento, também ocupa  função gerencial.

Qual é a expectativa em relação à condução da tocha?

Acho que a minha ficha não caiu direito. Os olhos do mundo vão estar voltados para nós.

Conduzir a tocha é...

Uma oportunidade de representar o Corpo de Bombeiros e o Estado do Rio de Janeiro.

Leia a notícia no Diário Oficial.

Imprimir