Logotipo IOERJPágina Principal
sexta, 25 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Instituto do Cérebro tem equipamento inédito no país
em 15/07/2016 09:07:52 (488 leituras)




Capaz de realizar cirurgias no cérebro com extrema precisão e sem necessidade de incisões, o primeiro Guamma-Knife a ser instalado em uma unidade pública de saúde no país chegou ao Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer (IEC). Voltado para o tratamento e operação de tumores e outras doenças neurológicas, como o Mal de Parkinson, o aparelho utiliza a técnica conhecida como radiocirurgia estereotáxica, que é uma intervenção cirúrgica com base na utilização de radiação no ponto exato da lesão.

– A radiocirurgia apresenta várias vantagens para os pacientes, como a redução dos riscos de complicações, quando comparamos aos riscos de uma cirurgia tradicional. Os efeitos secundários são atenuados, o que ajuda a reduzir o tempo de internação, trazendo também economicidade para os recursos investidos – destacou o secretário de Saúde, Luiz Antônio Teixeira.

A radiocirurgia estereotáxica é um método não invasivo de tratamento de lesões no cérebro, cabeça e pescoço, que possibilita procedimentos em vários tipos de tumores cerebrais benignos ou malignos, malformações arteriovenosas e metástases – que seriam, muitas vezes, inacessíveis por meio das cirurgias tradicionais.

– Enquanto outros equipamentos utilizados apresentam uma diferença de até um centímetro em relação à área a ser tratada, o Gamma-Knife tem uma precisão de apenas um milímetro, usando raios gama – explicou o neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, diretor médico do IEC.

Funcionamento

A previsão é de que o aparelho entre em funcionamento até o fim deste ano, com a conclusão das intervenções necessárias para sua instalação. A equipe que irá operar o Gamma-Knife é composta por neurocirurgião e radioterapeuta, além de um físico, e foi treinada nos Estados Unidos e na República Tcheca. Atualmente, o Brasil conta com outros dois equipamentos como este em funcionamento, ambos em unidades particulares. O aparelho custou R$ 13 milhões, oriundos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Leia a notícia no Diário Oficial.

Imprimir