Logotipo IOERJPágina Principal
sexta, 18 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Projeto Via Lilás prevê expansão de ações para o ano que vem
em 30/12/2015 09:28:03 (579 leituras)



Em 2016, o Governo do Estado vai ampliar o projeto Via Lilás. Estão programadas as instalações de mais totens no metrô do Rio de Janeiro e em cidades do interior. O projeto também terá mais dois eixos: o empoderamento das mulheres e a proteção às crianças. Para isso, será construída a Casa Lilás, que vai oferecer cursos, assessorias jurídica e psicológica e rodas de conversas. A ideia é que o local seja um espaço onde a mulher receba apoio para se sentir forte, financeira e emocionalmente, e para que tenha condições de sustentar a família.

Em 2015, mais de 72 mil pessoas acessaram os 40 totens e mais de oito mil mensagens foram enviadas para celulares.  

Desenvolvido pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos em parceria com o Banco Mundial, a Secretaria de Transportes, a SuperVia e o RioSolidario, o Via Lilás é um programa pioneiro no atendimento e proteção dos direitos das mulheres. Por meio de um totem interativo, as pessoas têm acesso a informações sobre saúde, benefícios sociais, direitos, violência doméstica e outros assuntos. 

Niterói foi o último município a receber os equipamentos, em 2015.  No último dia 16, a cidade foi contemplada com três totens: dois no Terminal Rodoviário João Goulart e um na sede da prefeitura da cidade.  Por dia, cerca de 500 mil pessoas consultam os terminais. 

Os totens foram instalados em pontos de grande circulação, como terminais de trens e barcas, além de locais específicos como o Hospital Geral de Nova Iguaçu; o Hospital de Emergência, na cidade de Resende; e a casa dos conselhos municipais Augusto Ângelo Zanatta, em Petrópolis. 

Como funciona

Para participar, não é preciso informar o nome, já que o sigilo é garantido, bastando inserir o município onde mora e a idade. Os itens registrados são enviados para uma central de dados, o que permitirá ao governo ter informações sobre qual a maior queixa das mulheres em relação a serviços especializados de segurança e saúde.

Leia a notícia no Diário Oficial
Imprimir