Logotipo IOERJPágina Principal
segunda, 27 de janeiro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Prodetur investe em novas obras no Rio de Janeiro em 2016
em 23/12/2015 09:33:10 (620 leituras)



Na sexta-feira (18/12), o governador Luiz Fernando Pezão foi à Valença para inaugurar a restauração de duas estações ferroviárias construí- das no século XIX para escoar a produção de café. A obra foi financiada pelo Governo do Estado e pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), parceiro do Prodetur-RJ (Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo do Estado do Rio de Janeiro). O programa começou em 2009 e gerencia ações das secretarias de Obras, Turismo e Ambiente, na proporção de 60% de recursos do BID e 40% do Estado. Em entrevista ao D.O Notícias, o coordenador executivo do Prodetur-RJ, Vicente Loureiro, anuncia  os próximos passos no fomento do turismo no estado.


 D.O Notícias – O Governo do Estado e o Prodetur-RJ investiram R$ 3,2 milhões em obras de restauração de duas estações ferroviárias em Valença. Qual a importância destas intervenções para o desenvolvimento do turismo no Estado do Rio?


Vicente Loureiro – Nos estudos feitos pelo Prodetur-RJ para a escolha de investimentos a serem realizados, a região do Vale do Café, no Médio Paraíba, mereceu destaque, surgindo como um dos destinos mais importantes do turismo. E o distrito de Conservatória foi apontado como um dos locais do interior mais desejados pelo turista. As duas estações ferroviárias, de Barão de Juparanã, e de Conservatória, são emblemáticas. Elas foram construídas para escoar a produção do café, que vivia época áurea no século XIX. A revitalização das estações oferece ao turista a oportunidade de conhecer mais sobre o ciclo do café e como ocorria o escoamento da produção. São verdadeiros ícones de uma época que engrandece a agenda turística dos que visitam a região.


D.O Notícias – Como será feita a manutenção das estações para que o patrimônio histórico e cultural seja preservado?


V.L – As obras para Valença ainda não terminaram. Vamos tornar subterrânea toda a iluminação pública e a rede de telefonia. Quanto à manutenção serão duas soluções distintas. Conservatória deixou de ser uma estação ferroviária e, com a extinção do ramal de passageiros nos anos 1960, se transformou em estação rodoviária. Hoje, ela tem um serviço de bar, um posto de informação turística e está preparada para receber atividades que podem complementar sua manutenção básica. Existe uma proposta de se criar um museu da seresta, algo que está sendo avaliado. Então, há possibilidades de que os pequenos reparos e a conta de luz possam ser garantidos. Já a estação de Juparanã depende de parcerias, que estamos buscando. É um prédio bem maior, com área de 500 metros quadrados, de muito requinte histórico. Estamos em negociação com a Fecomércio para que a iniciativa privada ajude a gerir o local, e que surjam também um posto bancário, uma agência de Correios, uma lotérica e um  café, que são iniciativas que ajudam na manutenção do espaço.


D.O Notícias – Que obras são destaque no cronograma de 2016?


V.L – O Prodetur-RJ tem feito diversas ações no interior do estado, como a Estrada Parque, em Visconde de Mauá, a urbanização das vilas de Maromba e Maringá, a pavimentação da RJ-151 (Mauá-Maromba). Na Região da Costa Verde, acabamos de licitar as intervenções de urbanização da Vila do Abraão, na Ilha Grande, em Angra dos Reis. Também estão em processo de licitação, a recuperação do cais de Paraty, a construção de uma estação hidroviária e a reforma do cais de Mangaratiba, além de obras de recuperação urbana em São Pedro da Serra e Lumiar.


D.O Notícias – Que outras regiões do Estado do Rio serão beneficiadas?


V.L –Vamos também construir estações subterrâneas de iluminação pública na Avenida do Imperador, em Petrópolis. Na Região dos Lagos, dois projetos aguardam a locação de recursos: as obras no cais de Arraial do Cabo e de São Pedro da Aldeia. Além disso, participamos das obras do Museu da Imagem e do Som (MIS), em Copacabana, cujo valor contratado é de R$ 62 milhões, incluindo instalações elétricas e hidráulicas, fachadas e revestimentos de pisos e paredes. O MIS é uma obra importante, que retrata a alma do carioca e ajuda o turista a compreender o jeito de ser do cidadão do Rio de Janeiro.


Leia a notícia no Diário Oficial

Imprimir