Logotipo IOERJPágina Principal
quarta, 22 de janeiro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Cães dos Bombeiros ajudam na busca de desaparecidos
em 03/12/2015 09:17:24 (587 leituras)



No quartel do 2º Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente (GSFMA) do Corpo de Bombeiros, em Magé, na Baixada Fluminense, 12 cães das raças labrador e pastor belga de malinois recebem treinamento para atuar na busca de desaparecidos. Criada em 2006, a unidade especializada é a única da corporação no emprego de cães e já atuou em grandes e importantes missões nacionais e internacionais, ajudando a salvar milhares de vidas.

“Trabalhamos em apoio às demais unidades do Corpo de Bombeiros em ações de busca de perdidos em matas, desabamentos, desastres naturais e na busca de supostos cemitérios clandestinos, em cooperação com a Polícia Civil. Oferecemos um treinamento específico para o binômio bombeiro-cão para que o faro dos animais seja usado na identificação de vivos ou mortos”, explicou o comandante do 2º GSFMA, tenente-coronel Feliciano Suassuna.

Bombeiros da Paraíba e do Mato Grosso, policiais militares, guardas municipais e fuzileiros navais já participaram do treinamento oferecido pela corporação fluminense. Com duração de três meses e meio, o curso oferece orientações sobre adestramento, técnicas de busca, primeiros socorros, sobrevivência e topografia. Ao todo, 94 militares foram formados em sete turmas.

“Trabalhar com cães é uma tendência mundial. Cada animal tem desempenho semelhante ao de 20 a 30 pessoas durante as buscas, graças à capacidade olfativa e aos treinamentos diários em diferentes ambientes”,  afirmou o subcomandante Operacional do 2º GSFMA e coordenador do curso cinotécnico, major Jorge Luiz Diogo.

Depois que passam pelo curso, os bombeiros podem trabalhar no canil da corporação. Hoje, dez militares atuam como condutores dos animais. Toda manhã, eles alimentam, fazem a revista médica, a limpeza do box, a educação física e o treinamento de cada cão. Em média, é necessário um ano e meio para que o animal esteja apto a participar das operações.

O labrador Lion, de 5 anos, chegou ao grupamento por doação de um militar e tem se destacado nas buscas de vivos e cadáveres, nas principais ações do Corpo de Bombeiros. Ainda em treinamento, a labradora Lua, de 1 ano, tem auxiliado operações. Filha de campeões de faro do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, ela demonstra ter faro apurado.

Uma vida dedicada à corporação fluminense

Aos 8 anos, a labradora Shakira se prepara para a reserva militar, em 2016. Ela tem experiência em grandes e importantes missões nas quais os Bombeiros atuaram como o terremoto do Haiti (2010), os deslizamentos de terra na Serra (2011) e a recente explosão em São Cristóvão na busca de vivos e mortos.

Ano que vem, Shakira será adotada por seu condutor, o sargento Roberto da Silva Lopes, e poderá ser uma das primeiras cadelas a atuar no projeto de cinoterapia, ou terapia com animais, que o 2º GSFMA pretende implantar em parceria com entidades civis.

“Cão e condutor criam afinidade no treinamento e ficam juntos a vida toda. Estamos em negociação com entidades civis para ajudar no tratamento e recuperação de crianças e adultos”, contou o major Luiz Diogo.


Leia a notícia no Diário Oficial

Imprimir