Logotipo IOERJPágina Principal
quarta, 16 de outubro de 2019
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Unidades de saúde investem em atendimento domiciliar
em 30/10/2014 09:22:48 (587 leituras)



Unidades estaduais de saúde investem em programas de atendimento domiciliar para ajudar pacientes e suas famílias a alcançarem sucesso nos tratamentos. O Hospital Estadual Adão Pereira Nunes já beneficiou 350 pessoas. Entre os casos mais comuns estão pacientes acima dos 50 anos com doenças de sequelas neurológicas, como AVCs, Alzheimer, Parkinson e demências. O atendimento também se estende ao cuidador, que é preparado para oferecer suporte em casa. Orientações sobre a necessidade de adaptações no ambiente doméstico também são esclarecidas pela equipe.

"Além do preparo no domicílio, temos uma reunião quinzenal de cuidadores. Ao entrar para o programa, o responsável assina um documento em que se compromete a seguir as orientações feitas pela equipe", explicou a geriatra Cristiane Lima, coordenadora do projeto, que também conta com enfermeira, psicóloga, assistente social, nutricionista, fonoaudióloga e fisioterapeuta.

Morador de Duque de Caxias, o aposentado Rodolpho Coutinho, de 76 anos, é atendido pela equipe do Adão Pereira Nunes. Ele sofreu dois AVCs e não consegue comparecer ao hospital. A esposa e cuidadora Teresa Coutinho elogia o tratamento domiciliar.

"Receber a equipe em casa é uma bênção. Posso tirar minhas dúvidas e saber mais sobre os exercícios diários de fisioterapia", disse Teresa.

Idosos são beneficiados - Especializado no atendimento a pacientes idosos, o Hospital Estadual Eduardo Rabello, em Senador Vasconcelos, também oferece o serviço. Vítima de uma fratura de fêmur, Américo de Araújo, de 85 anos, foi indicado para participar do projeto. O serviço conta também com enfermeira, assistente social e psicóloga.

"Buscamos oferecer autonomia, pois ele fica sozinho em uma parte do dia. Nós o ensinamos a fazer a transferência para a cadeira e promovemos mudanças no quarto", explicou a terapeuta ocupacional Maria Fernanda Alves.

No Centro Psiquiátrico do Rio de Janeiro, 32 pacientes usam o serviço domiciliar.


Leia a notícia no Diário Oficial

Imprimir