Logotipo IOERJPágina Principal
quinta, 27 de fevereiro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Defensoria ajuda endividados a sanar finanças
em 20/02/2014 09:53:38 (2371 leituras)



Para socorrer quem extrapolou nos gastos, o Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon) da Defensoria Pública oferece, desde 2005, os serviços da Comissão Especial de Proteção e Defesa do Consumidor Superendividado, que auxilia, gratuitamente, pessoas a renegociar e quitar suas dívidas, além de fornecer orientações para planejamento e controle de gastos. A iniciativa foi pioneira no país e, só em 2013, ajudou cerca de 500 pessoas a “sair do vermelho”.

"Vemos um endividamento crescente das famílias por conta da concessão facilitada de crédito e do consumo irresponsável. É preciso estabelecer prioridades na vida financeira e eliminar o hábito de adquirir mais bens do que se necessita e do que se pode pagar. A Comissão atua na renegociação de contratos, através de audiências de conciliação com credores, e no planejamento do orçamento doméstico", explicou a defensora pública Larissa Davidovich, coordenadora do Nudecon. 

Na comissão, os superendividados preenchem um amplo questionário sobre o estado de suas finanças, participam de reuniões com defensores para elaboração de estratégias personalizadas para o saneamento de dívidas e também são encaminhados para cursos de educação financeira, oferecidos gratuitamente pelo RioPrevidência. A Defensoria conta ainda com parcerias com bancos e outras instituições financeiras para intermediar o processo de negociação de dívidas, solucionando os problemas de forma extrajudicial, o que ajuda a diminuir as demandas do judiciário. Em média, os consumidores recebem acompanhamento constante da Defensoria durante um ano.

A bibliotecária Myriam Campos, de 59 anos, recebe auxílio da comissão do Nudecon há dois anos para controlar dívidas que surgiram após a compra de um apartamento em Teresópolis. O imóvel precisou de inúmeras reformas, que foram feitas à base de empréstimos bancários. O resultado foi um débito de cerca de R$ 40 mil.

"Devia a 12 credores e dependia da ajuda de parentes para pagar as contas. A Defensoria organizou audiências de conciliação que diminuíram drasticamente os juros das dívidas. O serviço também mudou minha concepção em relação às finanças: hoje, carrego uma calculadora comigo e garimpo os melhores preços", disse Myriam.

Após ficar desempregado por dois anos, Carlos Gil Lopes, de 54 anos, acumulou dívidas que chegaram a cerca de R$ 350 mil e lhe renderam problemas de saúde provocados pelo estresse. Em abril de 2013, o atual servidor público decidiu buscar ajuda do Nudecon.

"Segui à risca as orientações do Núcleo, e hoje, estou com o nome limpo, quitei todos os cartões de crédito e tenho débito com somente um banco. Atualmente, respiro aliviado e já vou até ganhar “alta” da Comissão do Superendividado", afirmou Lopes.


Leia a matéria no Diário Oficial

Imprimir