Logotipo IOERJPágina Principal
terça, 14 de julho de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Novo Banco de Olhos é inaugurado no Rio de Janeiro
em 25/09/2013 10:03:04 (846 leituras)


A Secretaria de Saúde inaugurou ontem, em parceria com o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), o segundo Banco de Olhos do Estado do Rio. O primeiro fica em Volta Redonda. A unidade, que funciona dentro do Banco de Tecidos Musculoesqueléticos do instituto localizado na Avenida Brasil, foi montada com equipamentos de última geração para garantir a segurança biológica do material doado. A previsão é de que o banco possa quintuplicar a captação de córneas no Rio de Janeiro, atingindo a marca de até 60 por mês.

- Com a inauguração do Banco de Olhos, o desafio agora é aumentar a captação de córneas. Nossa intenção é quintuplicar esta captação, de modo que possamos oferecer uma quantidade de córneas suficientes para atender à população. Um banco localizado bem no centro do Rio de Janeiro vai facilitar a logística para que os transplantes possam ser efetuados -, explicou o coordenador do Programa Estadual de Transplantes (PET), Rodrigo Sarlo.  

Em condições de resfriamento, uma córnea pode ser captada até 24 horas após uma parada cardíaca. Se não houver o resfriamento do corpo, a captação deverá ocorrer em até seis horas. Atualmente, sete hospitais realizam a cirurgia de transplante de córnea no estado por meio do SUS (Sistema Único de Saúde).

- Contamos com equipamentos como microscópio especular, que mede as células da córnea. Temos a segurança também na sorologia. Ou seja, quando uma pessoa recebe um transplante, ela tem certeza de que o tecido é seguro -, disse o responsável técnico pelo Banco de Olhos do Into, Gustavo Bonfadini.

Meta para o próximo ano.

Nos próximos dez dias, a Secretaria de Saúde e os chefes do Serviço de Oftalmologia do Rio irão estabelecer o pacto de duplicar, já no ano que vem, o número de transplantes dos últimos dois anos.

- O ideal é que estejamos, no prazo de um ano, em 2014, fazendo cerca de 500 transplantes por ano. Queremos, ao longo de dois, três anos, chegar à fila zero de córneas -, afirmou o secretário de Saúde, Sérgio Côrtes.

Leia a matéria no Diário Oficial.

Imprimir