Logotipo IOERJPágina Principal
sábado, 11 de julho de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Hospitais da Baixada Fluminense estimulam o parto normal
em 19/09/2013 09:29:14 (935 leituras)




A adequação dos hospitais estaduais da Baixada Fluminense para a oferta de parto natural é uma importante conquista das usuárias do Sistema Único de  Saúde (SUS). O Hospital Estadual da Mãe, em Mesquita – unidade inaugurada há pouco mais de um ano – é hoje a principal maternidade para gestantes de baixo risco da região, com média de 500 partos por mês e 77% de taxa de partos normais. O Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, também dispõe de todos os recursos para oferecer o procedimento às gestantes.

A vendedora Harmonia Carneiro, de 29 anos, moradora de São João de Meriti, optou pelo método para dar à luz seu filho, Breno.

- Quando descobri que estava grávida, tinha em mente que gostaria de ter parto normal. Assisti à palestra sobre o tema, fiz exercícios de respiração, fisioterapia e recebi orientação de uma nutricionista. O que eu mais desejava era ter uma recuperação rápida para estar em condições de cuidar do meu filho - disse Harmonia.

A cabeleireira Michele Fortes, de 25 anos, espera, ansiosa, pelo nascimento do primeiro filho, Carlos Davi. Convicta do desejo de fazer parto normal, a futura mamãe acredita nos benefícios do procedimento.

- O nome diz tudo: ‘parto normal’. Acredito que o corpo da mulher está preparado biologicamente, por isso gostaria que meu filho nascesse de parto normal. Além disso, posso ter uma recuperação mais rápida. Também quero guardar a emoção deste momento na memória para sempre - afirmou Michele.

No ranking da Organização Mundial de Saúde  (OMS), o Brasil aparece na segunda colocação entre os países com mais cesarianas em relação ao total de nascimentos. De 2000 a 2010, 43,8% mulheres escolheram o parto por cesariana.

Este número diverge do que preconiza a OMS, que indica o parto normal como a primeira opção de procedimento, restringindo as cesáreas aos casos em que não há condições por parte da mãe ou do bebê para que seja realizado o método natural.

Leia a matéria no Diário Oficial.

Imprimir