Logotipo IOERJPágina Principal
domingo, 27 de setembro de 2020
Entrar
Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Notícias
Diário Oficial : Pacificação amplia lucro de ateliê de moda na Barreira do Vasco
em 28/05/2013 09:33:18 (1009 leituras)




Moradores da Barreira do Vasco já comemoram a chegada de serviços públicos e a perspectiva de parcerias com organizações e empresas privadas, após a inauguração da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Entre os grupos mais animados com os benefícios da pacificação estão os empreendedores, como as sócias do Retalhos Cariocas, empresa que confecciona bolsas e acessórios reaproveitando materiais. A UPP local completou um mês de implantação.

A base de produção do ateliê funciona há três anos em um imóvel localizado ao lado de onde foi instalada a unidade policial. O empreendimento surgiu com as moradoras Maria de Fátima Oliveira, de 66, e sua filha, Silvinha, de 35 anos, que começaram a fazer moda sustentável e a capacitar grupos de mulheres na área de corte e costura, visando aumentar a geração de renda local. 

- Houve uma época que eu queria dar aula de costura e as pessoas ainda tinham medo. Isso vai melhorar. As pessoas começam a sentir mais segurança para entrar e andar por aqui - afirmou Maria de Fátima, que vive na comunidade há 44 anos.

Mais clientes para o negócio

A sócia Silvinha comemora as oportunidades para a empresa, a partir da pacificação.

- Depois da UPP, a frequência de pessoas aqui no ateliê já aumentou - disse Silvinha.

Materiais doados

Os acessórios e sandálias são produzidos com materiais doados, como sacos plásticos, chapinhas e garrafas PET. O ateliê, que atende 20 mulheres por curso, conta com três máquinas de costura, além de araras utilizadas para guardar as peças produzidas.

A publicitária Luciana Meireles, responsável pelas finanças do ateliê, Luciana Almeida e Nadja Araújo, que lidera a parte de produção, completam o grupo de empreendedoras que assina peças de roupa, sandálias e acessórios feitos de tecidos e banners doados por empresas.

- É gratificante ver que as meninas realizam o sonho de aprender sobre a área e saem daqui para o mercado - afirmou Nadja, que mora na comunidade.

Leia a matéria no Diário Oficial.

Imprimir